Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A Liturgia da Palavra Dominical

por Zulmiro Sarmento, em 31.08.14

XXII DOMINGO TEMPO COMUM – VOCAÇÃO E RADICALIDADE

Às vezez tem-se a sensação que Deus pede demais. Parece aos que mais se dão nos caminhos da fé que mais é pedido. Multiplicam-se as dificuldades,  aparecem inúmeras provações, é-se confrontado com as mais diversas crises, acontecem doenças, insuficiências económicas, problemas na educação dos filhos, e chega a perguntar-se “que mal fiz eu, ó Deus, para ser tratado assim.” Teresa d’Ávila, a reformadora do Carmelo, ao referir os sofrimentos vividos por tantos dos melhores cristãos, exclamava, agora sei porque é que tens tão poucos amigos. Toda esta linguagem que humanamente se compreende, que tende a atribuir a Deus todas as coisas negativas que nos acontecem, não é porém, assim. A dor e o sofrimento estão colados à natureza humana. São o limite nascido da nossa imperfeição. O desafio está em saber pela nossa relação com Deus como suportar o sofrimento, vivê-lo e até ter capacidade para oferecê-lo. Aliás, Jesus, no mistério da crucifixão, foi o primeiro a oferecer o sofrimento pela redenção de toda a humanidade.

Ao ler o Evangelho da liturgia de hoje, compreende-se a radicalidade que é pedida a quem quer seguir Jesus Cristo até ao fim. No diálogo com os discípulos, Jesus é muito claro: se alguém quiser seguir-Me renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me” e acrescenta ainda, “quem quiser salvar a sua vida há-de perdê-la, mas quem perder a sua vida por minha causa, há-de encontrá-la.” E a terminar este projecto de radicalidade chega mesmo a dizer “que importa ao homem ganhar o mundo inteiro se vier a perder a sua vida”. A vocação do cristão parece fácil mas não poide ficar-se em comodismos estéreis. Pedro julgava testemunhar o seu amor a Jesus convidando-O a não subir a Jerusalém, mas Jesus pediu expressamente que ele se afastasse, porque a missão que recebera do Pai, deveria ser vivida até ao fim, até à crucifixão no Calvário. A radicalidade da vida de Jesus iria projectar-se no convite à radicalidade que Jesus fazia aos seus.

Pode perguntar-se, porém, se será possível uma entrega total da vida se ela não está cimentada num grande amor.  Sentiu isso já no Antigo Testamento Jeremias que diz na sua profecia, “vós me seduzistes; Senhor, e eu deixei-me seduzir; vós me dominastes e vencestes”. O profeta foi capaz de enorme sofrimento porque estava centrado num grande amor. É esta a atitude do cristão dominado pelo amor de Jesus ao segui-l’O pode viver a radicalidade em todas as expressões. É o pedido que Jesus faz aos seus discípulos que O amam e que Ele ama. S. Paulo oferece hoje uma síntese perfeita: “peço-vos irmãos, que pela misericórdia de Deus, vos ofereçais a vós mesmos como vítima santa (…) para viverdes o que é bom, o que Lhe é agradável, o eu é perfeito” (Rm 12, 1-2).

 

Monsenhor Vítor Feytor Pinto (in Revista LiturgiaDiária, ed. Paulus)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09



formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2014

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D