Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O ‘último a sair’(*) que apague a luz!

por Zulmiro Sarmento, em 28.05.11

Com o decorrer da ‘campanha eleitoral’ – embora ainda sem a oficialidade da mesma – temos vindo a apercebermos que há ‘artistas’ – cognome que daremos aos actores do espectáculo... político/partidário – que tentam fazer-nos crer que não tiveram nada (ou pouco) a ver com a situação a que o país chegou: endividamento, descrédito e bancarrota.

A frase supra referida é mais completa, pois diz: ‘o último a sair que apague a luz e que feche a porta’. Este desejo como que perpassa pela mente de muitos dos nossos concidadãos, na medida em que, depois do descalabro a que nos fizeram chegar, já pouco mais nos resta do que começar do zero, subindo – qual mito de Sísifo o de termos de carregar uma pedra até ao alto do monte e, quando estávamos prestes a chegar, ela rebola até à base da montanha... recomeçando, de novo – ciclicamente, na nossa tragédia (quase) sem rumo!

= Vendedores de ilusões?
Os artistas continuam a parecer viverem num país que não existe. Fazem-nos duvidar da sua palavra. Enrolam-nos com patranhas e muitos caem na ilusão. Dizem-se senhores de (quase) tudo, mas o que nos dão é uma mão cheia de nada. Azedam-se uns com os outros, mas comem à mesma mesa – senão do mesmo prato – não tendo os seus (pretensos) apoiantes mais do que migalhas. Precisam dos votos, mas esquecem-se daqueles que os elegem. Dizem-se respeitadores da democracia, mas comportam-se como ditadores, quando ascendem ao poder... seja qual for a cor ou a instância de (co)mando.
Há dinossaúrios e aprendizes: uns foram criando redes de favores, outros tentam ser favorecidos. Há artistas que cuidam da sua imagem e outros que se imaginam insubstituíveis. Há fiéis pela ideologia e outros que deambulam para estarem à superfície do pântano, coachando em maré de concorrência.
Até quando teremos estes – actuais e gastos – intérpretes a fazerem do país a sua coutada? Até quando forças subterrâneas – esotéricas ou transnacionais – irão colocando no pedestal (sobretudo) os seus confrades? Até quando a autêntica cidadania – educada, com valores e princípios – terá de encolher-se no espectro desta feira de vaidades?

= Combate, confronto ou conflito?
Num país farto em verborreia, as mais recentes trocas de palavras entre os artistas têm vindo a criar distinção: há, de facto, visões que têm de ser claras, pois a escolha tem de ser adequada ao momento histórico em que vivemos. Há clichés vazios e palcos esburacados. Há iniciativas sem nexo e enganos que nos têm custado caro... agora e no futuro. Há confrontos que devem esclarecer e conflitos que só servem para distrair. Há obras que não passam de projectos megalómanos e opções que pecam por tardias.
Que dizer da certificação escolar sem cultura assimilada? Que dizer de choques – tecnológico ou para a desburocratização – se as pessoas são mais mal tratadas e menos bem atendidas? Que dizer de certos combates à educação não-estatal, se com isso perdermos a qualidade de aprendizagem? Que dizer da transferência de responsabilidades nas áreas da saúde e da segurança social, se continuarmos a fazer reproduzir pobreza camuflada?

Breves questões em ordem ao bom discernimento na hora de votar:
Quando vemos sair do país os melhores, ainda teremos futuro? Quando vemos desertificar os campos, ainda saberemos cuidar daquilo que nos pertence? Quando vendemos a honra por uns trocos, ainda teremos dignidade nos nossos heróis? Quando nos escapa a verdade, ainda nos merecerão confiança aqueles que nos querem governar?
Está na hora de decidir sem peias nem medos. Basta de mentira. A bem da Nação!

(*) Embora esta expressão seja agora nome de programa (sarcástico) de televisão nada tem de ofensivo... antes pelo contrário!

A. Sílvio Couto
(asilviocouto@gmail.com)

ECCLESIA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:55



formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D