Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


«Também vos quereis ir embora?» (João 6,60)

por Zulmiro Sarmento, em 10.07.10

Sabe-se como se lança um rastilho como meia notícia que a pressa dos media engole de imediato e joga para o papel ou para a informação em linha, ou mesmo nas redes sociais para ser o primeiro a anunciar

 

 

Não estão fáceis os tempos para a Igreja. Todos os dias vão surgindo novas notícias de escândalos, processos, condenações, abusos. Caem precipitadamente nas agências e são por vezes claras, directas, apesar de desagradáveis para os católicos. Outras são falsas embrulhadas  em meias verdades e com uma interpretação claramente enviesada, sempre com o dedo condenatório para membros do clero em diversos graus de responsabilidade na condução da Igreja a nível local ou universal. Nada nos espanta: nem os factos, nem a maneira como são descritos, distorcidos, dramatizados, sendo, quantas vezes, opinião antes de serem acontecimento. Isto não se passa apenas com a Igreja, mas com todos que estão alguns centímetros acima da grande multidão anónima e que, por via da visibilidade, colocados em cadafalso de julgamento e forca. Que um dia possivelmente foi trono de glória e ovação do mesmo povo anónimo e aparentemente inocente.

Mas há dados que permitem, no que diz respeito à Igreja, objectivar causas e intenções. Sabe-se como se lança um rastilho como meia notícia que a pressa dos media engole de imediato e joga para o papel ou para a informação em linha, ou mesmo nas redes sociais para ser o primeiro a anunciar. Quantas vezes a primeira-mão é a primeira mentira. Sabe-se de forças, movimentos, associações, secretas ou não, que cozinham nas suas caves de mistério materiais informativos para que na linha final todos aceitem o que sempre estes senhores quiseram dizer: que a especialidade da Igreja é ser hipócrita, hábil em absolver os seus próprios pecados mas implacável com os que se atrevem a enfrentá-la como se fora uma permanente inquisição sem tréguas nem remorsos.

A Igreja não pode converter a sua pregação em constantes  desmentidos sobre quanto dela se diz. Tem reconhecido os erros dos seus membros. Tem tido  a coragem – rara nos tempos de hoje – de pedir perdão. Sabe que a sua missão é ser impoluta na moral, e transparente nas suas acções em qualquer área que se cruze com a sociedade civil.

Vivemos um momento complexo: aceitando a verdade dos nossos pecados e dos nossos silêncios, corrigindo os erros da nossa comunicação, agradecendo os homens e mulheres que se mantêm firmes como sinais vivos de Cristo, aceitando com humildade as críticas justas que nos são feitas, e acreditando cada vez mais que “as portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja”. Apesar de os pecados serem duma minoria, aceitamos vestir-nos de saco e cinza, de coração penitente pela família católica manchada com crimes execráveis de alguns. Mas sabemos separar o trigo do joio, distinguir a parte do todo e dizer que a Igreja, mesmo pecadora, continua una e santa. E que “não nos queremos ir embora”.

António Rego

 

in ECCLESIA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:15



formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D