Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Mensagem de Natal do Bispo de Leiria-Fátima

por Zulmiro Sarmento, em 12.12.09

 

Deus como companhia e esperança
1. A festa do Natal, património espiritual da humanidade
O Natal é um tempo especial do ano em que o Mistério bate, particularmente, à nossa porta. Cidades e aldeias, um pouco por todo o mundo, celebram o acontecimento. Nenhuma outra festa cristã conheceu tão grande popularidade. É uma festa carregada de uma beleza e de uma riqueza humanas inigualáveis. Ela faz aflorar as aspirações e os sentimentos mais verdadeiros, profundos e nobres do coração humano e de toda a humanidade: a aproximação e comunicação entre as pessoas com votos de boas festas, a ternura e o encontro das famílias, a partilha com os mais necessitados, a fraternidade, a reconciliação e a paz entre as pessoas e entre os povos. A festa do Natal faz parte do património humano!
 
2. Deus como companhia: Deus connosco
Devemos, porém, confessar que o comércio e a publicidade se apoderaram, de algum modo, da festa. Corre-se o risco de perder o sentido profundo do Natal, de esquecer o seu primeiro protagonista que, por vezes, é o grande ausente. Por isso, é sempre necessário um chamamento ao essencial, ao coração da fé.
A festa cristã de 25 de Dezembro faz memória do nascimento de um Menino. Milhões e milhões de pessoas reconhecem nele o próprio Filho de Deus, “Deus de Deus, Luz da luz”. No Natal celebramos esta vinda de Deus ao coração do nosso mundo: Deus tão humano como nós e, em certos aspectos, ainda mais humano.
O acontecimento é único, inaudito, inconcebível, inimaginável: Deus ao nível do homem para elevar o homem à altura de Deus. Por isso, o Natal cristão é, antes de mais, a festa da generosidade superabundante de Deus. É o próprio Deus que se dá a nós, Deus connosco e para o mundo.
Ele veio e continua a vir, na história da humanidade, a bater à porta de cada homem e de cada mulher de boa vontade para trazer às pessoas, às famílias e aos povos o dom da fraternidade, da concórdia e da paz.
 
3. Um Natal diferente: para novos modos de vida
A mensagem do Natal é sempre nova como são novos os problemas do mundo e as circunstâncias da vida em cada ano. No firmamento dos últimos dias deste ano 2009 pairam, sobre o mundo e o nosso país, nuvens negras, densas e ameaçadoras: os reflexos da crise económico-financeira, o desemprego crescente, as novas situações de pobreza, o cancro tentacular da corrupção, a quebra de confiança na justiça, a gripe A, as alterações climáticas que ameaçam o nosso planeta... Acrescem ainda os problemas que vivemos nos diferentes momentos do nosso caminho pessoal e familiar. Vamos tomando consciência de que “a sociedade cada vez mais globalizada torna-nos vizinhos, mas não nos faz irmãos”(Bento XVI, O amor na verdade, n. 19).
Neste contexto, a mensagem de fraternidade e de paz que Cristo traz ao mundo chama-nos a viver um Natal diferente. Chama-nos, concretamente, a um suplemento especial de fraternidade e partilha para nos fazer próximos e ajudar as pessoas e famílias em dificuldade; a novos modos de vida marcados por novas formas de solidariedade e por uma santa e saudável sobriedade, como estilo de vida ordenado, equilibrado, atento ao essencial e  fora de todo o tipo de excesso no consumo, no endividamento, na escravidão da moda, na ostentação da grandeza e da riqueza, no supérfluo. Sem fraternidade, solidariedade e sobriedade não haverá futuro.
Peçamos pois ao Senhor: Dá-nos, Senhor, neste Natal um coração novo, mais fraterno, solidário e sóbrio, capaz de nos fazer próximos e de partilhar de mãos largas.
Um Natal assim será Natal de esperança!
A todos os diocesanos endereço os melhores votos de santo, fraterno e solidário Natal e feliz Ano 2010!
Leiria, 8 de Dezembro de 2009.
+ António Marto, Bispo de Leiria-Fátima
ECCLESIA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:05



formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D