Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


R E N A S C E R

por Zulmiro Sarmento, em 12.04.09

    

      Há uma data que merece a nossa atenção por altura do fim do Inverno. É o dia de Páscoa onde os cristãos fazem memória da «páscoa» de Jesus (passagem), do mistério da Sua morte e ressurreição.

     Para os discípulos de Jesus foi como que a experiência de um grande «big-bang», uma poderosa explosão que iluminou as suas vidas e as suas histórias, um renascer que os transformou com Jesus e os tornou capazes de viverem com uma nova esperança, uma nova certeza: a da Sua presença que enche de beleza e calor a vida! Dizem os cientistas que é impossível os discípulos de Cristo estarem alicerçados numa mentira, numa neurose colectiva e durante tantos séculos. Para os descrentes não deixa de ser uma pedra no sapato...

     Para os que são, efectivamente e afectivamente seus discípulos hoje, a celebração da Páscoa evoca este mistério que está na origem da fé cristã e alimenta a fé dos crentes: purifica os olhos para ver a Sua presença e aquece o coração para se levantarem dos fracassos e das dificuldades do dia-a-dia e continuarem a amar e a sorrir à Vida! Neste sentido a Páscoa é a festa da eterna juventude da Igreja, é uma festa jovem por excelência. Coisa que muitos jovens ainda não descobriram, talvez pela razão de haver muitos testemunhos adultos pouco credíveis.

     A Páscoa, festa móvel no calendário gregoriano, acompanha a chegada da Primavera, a estação do ano em que a vida renasce do sono do Inverno: as sementes, as folhas, as flores, a maioria das árvores despertam dos rigores do frio e da chuva e a Natureza volta a sorrir. Aos poucos, esta vida escondida, começou a espreitar à janela, irrompendo em toda a sua pujança, como se tudo principiasse de novo, todos os anos, em cada Primavera. É o milagre da vida, ciclicamente renovado.

     Na vida das pessoas, como na Natureza, alternam-se as estações, há invernos e primaveras, há dor e alegria, há morrer e ressurgir. Mas na pessoa humana há, sobretudo, uma sede de vida, de felicidade e de beleza que é tão antiga como a própria humanidade: a eterna primavera é a estação para que somos feitos, a nossa verdadeira casa.

     A Páscoa de Jesus de Nazaré lembra isto e convida a renascer dos fracassos e dificuldades e a caminhar na vida com esperança.

     Por vezes, a vida, as circunstâncias e as pessoas podem ser injustas connosco. Mas mais injusto seria deixar de lutar e de ter esperança, de renascer depois do Inverno e de descobrir que a Primavera é a nossa estação. Por isso, não nos podemos fechar em casulo. A abertura e o encontro com Jesus e os outros são fundamentais: é «nesse encontro», na experiência da doação pessoal e do serviço, que todos temos a possibilidade de renascer e passar da morte para a vida.

     «A Primavera vem depois do Inverno, a Alegria depois da Cruz.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:30


2 comentários

De peregrina a 12.04.2009 às 20:11

Bela partilha!
De facto renascer dos fracassos e dificuldades faz parte da nossa Páscoa.
Fizemos caminhada, estamos cansados, mas sabe bem, tem sabor a felicidade, e dá-nos conforto para continuar!
Continuação de Boas Festas Pascais para si e para todos e todas de boa vontade que por aqui passam e partilham algo de seu.
Cristo está Vivo, Ele vai connosco, nada temos a temer!
ma. rodrigues

De Lisa a 13.04.2009 às 11:39

Adorei! Bela mensagem...
Um belo jardim de palavras que perfumam a alma.
É nesta certeza do renascer a cada primavera,
que todos temos que desabrochar e ir ao encontro do belo jardim da nossa vida.
É este o perfume que hoje Deus tanto solicita, pelas Suas palavras pronunciadas no evangelho;
O perfume do Amor, que, cure todas as chagas causadas pelo pecado.
Deus vive no nosso coração!.. A vida é bela, quando
o nosso coração está em Deus!
O sofrimento: É alentado pela esperança.
Obrigada, pela valiosa partilha!

Comentar post



formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2009

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D