Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


CRISES

por Zulmiro Sarmento, em 31.03.09

   

Ainda e sempre a crise económica e financeira.

A crise com que continuamos a ser bombardeados todos os dias. Pelo governo, pela oposição, pelos sindicatos, pelas associações patronais, pela comunicação social (mea culpa…), pelos parentes, pelos amigos, pelos conhecidos. A crise negada e logo depois reconhecida. A crise que tudo justifica, que tudo explica, que tudo desculpa. A crise que é fonte da mais desbragada demagogia, das promessas mais oportunistas, da mais desenfreada propaganda política.

 A crise, essa crise que tem no desemprego o seu mais visível e dramático rosto – um rosto marcado pela insegurança quotidiana, pela dúvida permanente, pela incerteza angustiada do amanhã. E este é um drama de consequências por enquanto incalculáveis, sobretudo num país como o nosso, de parcos recursos e – paradoxo dos paradoxos – atacado pelo vírus de uma incorrigível mania das grandezas.

Mas, se desta crise muito se fala e escreve, outra há de que ninguém parece lembrar-se, a que ninguém parece ligar importância. E, no entanto, essa bem pode ser considerada a “mãe” de todas as crises.
Chama-se crise de valores.
É essa, verdadeiramente, a crise. Porque se não fosse o desprezo a que são votados, por esse mundo fora, os valores do Amor ao próximo, da Caridade, da Solidariedade, da Paz, não vingariam, como vingam, a sede de poder, o egoísmo sem peias, o consumismo desmedido, o lucro escandaloso a qualquer preço. E não se assistiria ao desmoronar do edifício social, minado pelas desigualdades, pela injustiça, pela recusa em distribuir equitativamente – ou, ao menos, mais equitativamente – a riqueza produzida.
É a natureza humana, na sua vertente mais materialista e ambiciosa, a impor a sua lei. É a natureza humana despida de consciência, na busca de uma sonhada divinização, a perder-se nas suas próprias contradições – e a deixar aberto o caminho para o inevitável colapso. Para a crise, a tal crise que nos caiu em cima e “faz” hoje o nosso dia-a-dia.
E o grande problema está em que o combate imediato a esta crise vai acabar por ser um combate pouco menos do que inútil. Porque não se trava contra as suas raízes, contra as suas causas reais.
Não se trava contra a crise de valores.
Essa, infelizmente, vai continuar bem instalada e, o que é pior, a agravar-se. Como tem acontecido nos últimos anos, perante a cómoda aceitação geral. Mas há excepções raras e honrosas. A Igreja Católica é uma delas, talvez a mais importante. A sua voz continua a fazer-se ouvir, forte e coerente, e a sua acção continua a fazer-se sentir, discreta e sem alardes, na defesa do património dos valores essenciais que pautam – ou deviam pautar – a existência humana.

É esta a esperança que fica.

Pereira Caldas
     

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:11



formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D