Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Quaresma na Primavera

por Zulmiro Sarmento, em 18.03.11

 

Ir. Marta Silva

 

Como é possível que haja tanta gente a gostar da Primavera? É incrível como se continua, nas escolas primárias por este país fora, a compor tantos textos poéticos sobre este tema.

A razão prática que mais rapidamente me ocorre para o facto da Quaresma calhar nesta altura é a magnífica oportunidade que as alergias nos dão para praticar a penitência. Não há dúvidas: os olhos inchados, as dificuldades em respirar e em alinhar dois pensamentos coerentes que um espirro não venha interromper obrigam a entrar, quer se queira quer não, por um caminho de despojo. E este, bem aproveitado, bem pode ser de libertação e de retorno gozoso à condição de criatura que topa com os seus limites.

A Primavera não é de fiar, porque pressagia em amanheceres gloriosos um consolo de calor que depois não cumpre. Atraiçoa pelas costas com constipações… e desconcerta‑nos com tantas promessas e possibilidades que deixa entrever! Há algum tempo que faça lembrar tanto um adolescente?

E no entanto, faz falta ter a adolescência a alguma distância para conseguir apreciar a sua beleza, para resgatar a ternura e destilar a generosidade exuberante dos inícios por entre o descontrole, o susto e o êxtase ao descobrir o próprio e incontrolado poder.

A vida que começa… mas ainda não. O frio que acaba… mas ainda não. Já… já? Ainda não! Por isso é preciso continuar a pedir, como no poema de Sophia de Mello Breyner, “que o Teu Reino antes do tempo venha” - com o melhor adjectivo alguma vez encontrado para qualificá‑la - “em Primavera feroz precipitado.”

A luz da Primavera é feroz, porque “há muitas coisas que eu não quero ver”. Mas não cega: é dura porque revela tudo cruamente. A Revelação acontece à nossa frente, e põe tudo à mostra de modo evidente… o que não quer dizer que o vejamos. Deve ser por isso que a meio da Quaresma lemos a passagem da cura do cego de nascença (Jo 9).

De repente, no bloco de terra gelada, há um risco de verde. Tenro, frágil, suave. E vence o bloco. Não digo “vencerá no outro mundo”, ou “acredito que no fundo, teve uma vitória moral”. Venceu mesmo, já, está aí diante do nosso nariz. A mais mínima flor do campo supera e cobre todos os horrores que se queiram enumerar. Não digo que uma flor equivale a dez bombas nucleares. Digo que qualquer pequeno traço de beleza é infinitamente mais poderoso que qualquer monstruosidade. Digo que um gesto de ternura, um grão de bem, tem mais peso que quaisquer males; digo que o ser anula o não ser; e digo que a vida resgata a morte. Já resgatou!

Quando as gemas de novos ramos querem rebentar sobre o tronco que, depois da poda, pouco passa de toco, lembram‑se bem do Inverno. Aliás, apoiam‑se e alimentam‑se dele, crescem sobre o antigo. A Nova Criação não é ex nihilo. O caminho para a Páscoa não apaga o meu passado. Aliás, é ele que me capacita para chegar aqui. O meu pecado é que me faz conhecer o perdão de Deus. Descubro quanto sou amada graças à minha culpa.

Claro que dói! Mas os espaços novos no coração são ganhos à força de o partir e rasgar. O facto de existir uma pena associada, é que faz com que algo valha a pena… por isso, como pensar em esquecer a pena que lhe deu o valor?

Quando as gemas de novos ramos querem rebentar sobre o tronco que, depois da poda, pouco passa de toco, não são outra vez os mesmos rebentos do ano passado. A Nova Criação, é mesmo nova. A árvore já não é a semente, é outra coisa. A irrepetibilidade de cada momento traz o selo da eternidade a que aponta.

Talvez o movimento de traslação à volta do Sol traga a Terra outra vez ao ponto de Primavera. Mas o círculo que descreve não está preso num samsara fatídico, a roda faz o carro avançar, e estamos sempre mais perto! Já… mas ainda não…

Eis que o Inverno já passou, a chuva parou e foi-se embora; despontam as flores na terra, chegou o tempo das canções, e a voz da rola já se ouve na nossa terra; a figueira faz brotar os seus figos e as vinhas floridas exalam perfume.. Levanta-te! Anda, vem daí, ó minha bela amada! (Cantar 2, 11-13)

Marta Silva, aci

ECCLESIA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:44


formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D