Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Mensagem de Natal do bispo de Angra

por Zulmiro Sarmento, em 20.12.09

 

...A questão de fundo do Natal não é a ausência de símbolos religiosos nos espaços públicos

A VERDADE DO NATAL

É Natal! Faço meu o apelo evangélico: «Erguei-vos e levantai a cabeça: está próxima a vossa libertação» (Lc 21, 28). Apesar de tudo o que acontece na vida e na história, não estamos num beco sem saída. Temos um Salvador: Caminho, Verdade e Vida.

1. O Natal é hoje. Assim canta a Igreja: «Hoje nasceu Jesus Cristo. Hoje apareceu o Salvador. Hoje, na terra, cantam os Anjos e alegrem-se os Arcanjos. Hoje, exultam de alegria os justos, dizendo: Glória a Deus nas alturas» (Antífona das Vésperas de Natal).

Para além de todas as manifestações exteriores de festa, não podemos perder de vista a verdade do Natal, que dá sentido a todo o resto. No Natal de Jesus, a Igreja celebra a presença salvadora de Deus na história humana, através da Incarnação do Filho.

Ora, toda a celebração cristã é «memorial», que alcança o ser humano no «hoje» da sua existência. Propriamente falando, não existe, dum lado, a história dos homens, laica e profana e, paralelamente, a história da salvação. O que realmente acontece, com o Natal de Jesus, é que a salvação de Deus se incarna na história humana. Mesmo com todas as suas contradições e contrariedades. Está é a verdade do Natal.

2. As narrações evangélicas sobre o Natal de Jesus dão-nos o seu enquadramento histórico. Ocupada pelos Romanos, a Palestina estava, na altura, sob o poder despótico de Tibério César; Procurador era Pôncio Pilatos, tristemente famoso pela sua crueldade; detentores do poder local eram os Tetrarcas Herodes e Filipe, personagens medíocres; de baixo perfil eram também os chefes religiosos, Anás e Caifás.

O cenário político não era, pois, nada animador. Num contexto histórico destes, não seria de esperar nada de bom para o futuro. O facto, porém, é que no meio de trevas tão densas, se acende uma luz de esperança. Com o Natal de Jesus, põe-se em marcha uma história nova; é inaugurado o Reino de Deus: Reino de Justiça, de Amor e de Paz.

Esta é a verdade do Natal. É possível sonhar e esperar; acreditar no futuro; empenhar-se, com esperança certa de alcançar o que se espera. Apesar e mesmo no meio de todas as crises, que podem ser oportunidades de crescimento e de progresso. É desejável e possível outro paradigma de convivência pacífica entre as pessoas e os povos.

O Natal é hoje. Quanto mais funda for a noite, mais próxima está a aurora. «A noite vai adiantada e o dia está próximo - adverte S. Paulo. Abandonemos, pois, as obras das trevas e revistamo-nos das armas da luz» (Rom 13, 12). É tempo de vigília e de discernimento, de acção e de esperança activa.

A verdade do Natal cristão dá-nos um horizonte de esperança, não só escatológica, isto é, para os últimos tempos, mas também histórico-política, no hoje que nos toca viver. O que implica empenhamento e intervenção na sociedade, contribuindo para o bem comum, com os valores evangélicos.

3. A questão de fundo do Natal não é a ausência de símbolos religiosos nos espaços públicos. Isso é apenas um sintoma, que desafia os cristãos a darem o seu contributo específico para um mundo melhor, mais justo e fraterno, mostrando-se activos e intervenientes, qual fermento que leveda a massa.

Não basta apenas o progresso técnico, para garantir o desenvolvimento dos homens todos e de todo o homem. «Só através da caridade, iluminada pela luz da razão e da fé, é possível alcançar objectivos de desenvolvimento dotados de uma valência mais humana e humanizadora» - adverte o Papa, na sua recente Encíclica Social, Caritas in Veritate (nº 9). «A cidade do homem não se move apenas por relações feitas de direitos e de deveres – continua o Papa - mas antes e, sobretudo, por relações de gratuidade, misericórdia e comunhão» (Id, Ibid., nº 6).

O Natal é hoje. Não são expressões colaterais do Natal o ambiente de festa que se cria, a atmosfera de ternura e de boa vontade que se respira, as reuniões familiares e as confraternizações, a partilha e as campanhas de solidariedade. Isso é o Natal em acto. Prolongando as celebrações litúrgicas, que actualizam os valores do Natal cristão, para serem vividos e testemunhados. Aqui e agora. Sempre.

É dessa vivência e testemunho, que o mundo precisa. Para ser Natal. Hoje.
Bom Natal!
D. António Sousa Braga, Bispo de Angra

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:11

Um Domingo, um pensamento (Ano C - 4º Advento)

por Zulmiro Sarmento, em 20.12.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00


formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D