Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Igreja lança campanha pela EMRC

por Zulmiro Sarmento, em 20.05.09

 
Secretariado Nacional de Educação Cristã dirige-se aos educadores mostrando actualidade da disciplina

 O Secretariado Nacional de Educação Cristã quer relançar a disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica na escolas. “A disciplina é um espaço educativo de grande interesse para o seu filho/educando”, apresentam num prospecto dirigidos aos pais e encarregados de educação.

 

O SNEC evidencia razões humanas, éticas, de diálogo entre ciência e religião, de livre escolha da educação que os pais devem dar aos filhos, como motivos para “uma autêntica educação integral”.

 

Porque a “dimensão religiosa é fundamental” para dar resposta à “inquietação humana” e porque a educação exige “uma consciência ética”, porque a ciência não é suficiente para “transformar o mundo, segundo critérios de justiça e de paz”, porque o diálogo “entre religiões” promove “a construção da paz mundial”, indica o SNEC num prospecto que apresenta ainda os novos manuais disponíveis e adaptados a cada etapa do aluno.

 

A disciplina de EMRC dispõe de manuais, acompanhados de CD-ROM, para alunos e professores, desde o primeiro ciclo ao secundário, vocacionados para o desenvolvimentos de temas de acordo com o plano educativo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:15

LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA IGREJA

por Zulmiro Sarmento, em 20.05.09

D. António Braga, bispo de Angra do Heroísmo, face a um movimento de opinião no seio da Igreja diocesana, que levantou, mais uma vez, o problema da possível criação de uma nova diocese nos Açores, disse “olhar com sinceridade e tranquilidade para esta possibilidade”, acrescentando que “ este assunto não está a ser aprofundado… mas as pessoas têm direito à sua opinião e devemos discuti-la”. Num encontro sobre o tema, que decorreu na Matriz de Ponta Delgada, no âmbito dos “Diálogos sobre a fé”, intervieram, como oradores principais, o vigário geral da Diocese, o vigário episcopal da ilha de S. Miguel e leigos ligados à vida da Igreja.
Independentemente do resultado, esta iniciativa, vista pelo bispo diocesano de modo sereno e sensato, constitui um caminho novo para problemas importantes, senão mesmo urgentes da Igreja. Trazem, ao de cima, a necessidade de um espaço aberto de reflexão livre, sobre problemas que a Igreja enfrenta. Não são, muitas deles, apenas problemas do Papa, dos bispos e padres, mas de todo o Povo de Deus. Todos são protagonistas de uma história que lhes diz respeito, a que não se podem furtar impunemente e, em relação à qual, ninguém, legitimamente, os pode impedir de participar, mesmo na fase de reflexão. Não se trata de discussões de rua ou de procura de maiorias.
A preocupação de liberdade de opinião no seio da Igreja vem de Pio XII, que a viu de modo positivo. A lógica do Concílio Vaticano II reforçou, teoricamente, esta possibilidade e a importância de tal reflexão. Os órgãos de corresponsabilidade, então instituídos, apontam nesta linha. A experiência mostra, porém, que eles não são suficientes e que, muitas vezes, não exprimem o sentir legitimo das comunidades cristãs e dos leigos mais preparados para intervir, sem que tenham espaço para o poderem fazer.
Na Igreja não deve haver temas tabus. Há problemas, por si não discutíveis dada a sua natureza. Não são muitos, mas, mesmo assim, podem-se reflectir, de modo aberto, para melhor se compreenderem e comunicarem. Muitos problemas da Igreja, trazem consigo uma carga histórica, que os foi sedimentando e, por vezes, os tornou dogmáticos e intocáveis. Precisam, agora, de ser abanados e confrontados com novas situações sociais e culturais, que lhes dêem vida e os tornem mais actuais, ricos e expressivos.
Nas últimos décadas, assistimos a mudanças na Igreja: reforma da Semana Santa, jejum eucarístico, missas vespertinas, ministérios laicais, relações ecuménicas, leigos na Cúria Romana e nas cúrias diocesanas… Coisas que pareciam intocáveis, mas não o eram.
João Paulo II mandou que fosse repensada a teologia e a história do primado, porque não queria que ele fosse obstáculo à unidade dos cristãos. Há hoje situações em retrocesso. Passam-se à margem do Vaticano II e de uma sã tradição, faltando coragem para reflectir em voz alta e em clima de comunhão.
Os problemas da Igreja não se resolvem por votos de maiorias. Mas, respeitada a legítima decisão, a quem esta compete, não terão boa solução à margem do Povo de Deus, uma vez que os seus membros também participam do munus profético de Cristo e exprimem o “sentido da fé”, muito importante quando tomado a sério.
Neste sentido, com a atenção devida ao essencial, parece importante que se abram na Igreja espaços livres de opinião, com a preocupação de manter e promover a unidade da fé e a fidelidade ao Espírito, sempre em ordem à realização da missão comum
A atenção e a fidelidade aos sinais dos tempos, acolhidos, lidos e discernidos, obriga a mais comunhão na Igreja, para evitar visões unidimensionais e soluções pastorais inconsequentes. A reflexão e o confronto na Igreja, onde em muitas coisas, o opinável é enriquecedor, é caminho a estimular. Na Igreja não há problemas pastorais tabus. Se os houver, a sua acção empobrece, dia a dia, e o Povo de Deus valor. Não há melhor e mais rápida maneira de desinteressar, que impedir de falar ou ouvir, sempre e só, os mesmos. 

 

Bispo António Marcelino
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:15

Cada dia um

por Zulmiro Sarmento, em 20.05.09

FICAR A VER NAVIOS.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00


formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D