Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Honra lhe seja feita!

por Zulmiro Sarmento, em 09.01.08

 

 

 

 

 

             D. Jaime Garcia Goulart: 1908 - 2008.

          Um dos maiores filhos da freguesia da Candelária, Ilha do Pico, Açores.

          10 de Janeiro de 2008: o 1º centenário do seu nascimento.

          O seu torrão natal está em festa.

          Pedi ao bispo Arquimínio, preciosa relíquia episcopal do Padroado do Oriente que, ao computador, deixasse falar as recordações naquilo que foi o contacto pessoal e singular com o padre Jaime e depois o bispo... As palavras que brotaram de tão prodigiosa memória - não obstante ter ultrapassado há muito os oitenta! - são impressionantes e serão dignas de registo no Jornal Ilha Maior, atempadamente, por concordância do seu Director. Alguns pormenores da vida deste ilustre filho da Candelária do Pico, repartida por Macau e Timor, julgo serem do desconhecimento geral. E que calarão bem fundo ao serem lidos. Pormenores próprios de quem orientou toda a sua actividade pastoral pelo lema: Vince in bono malum, vence o mal com o bem! Tal como se encontra inscrito no seu brazão episcopal.

         Bem sublinhou o padre José Carlos, um dia, também missionário daquelas bandas portuguesas, num folheto, rico graficamente, quando escreve por altura da sua passagem para a Casa do Pai, em 1997: «Primeiro Bispo da Diocese de Díli e Missionário de Timor para sempre». 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 22:12

Estas figuras simpáticas do Natal... os Magos! (2)

por Zulmiro Sarmento, em 09.01.08

          ♦ A quadra festiva e litúrgica do Natal está mesmo a chegar ao fim. Com as primeiras Vésperas no sábado à tarde (oração oficial da Igreja) do 1º Domingo do Tempo Comum (Baptismo do Senhor) termina mesmo... A sua significação, porém, não se mede pelo tempo. O imaginário, construído em torno do presépio, coloca Jesus na periferia sem nenhum poder sobre a natureza nem sobre os seres humanos, sem pretensões políticas ou religiosas. São os pastores, mal vistos pela "religião oficial" (a coisa mais demoníaca que existia em Israel na altura destes factos, disto não tenho dúvidas!), que o reconhecem e os estrangeiros, na figura dos Magos, os que andam à procura de um sentido para a vida, de uma estrela, de uma razão de viver, aqueles a quem não bastam os caminhos trilhados pelas tradições (tal como muitos de nós hoje - e ainda bem!).

          ♦ O percurso dos Magos é, essencialmente, um percurso de fé.

             O sinal - a estrela - despertou um desejo. E esse desejo suscitou uma pergunta. O que é este sinal extraordinário que vemos? Arriscam e põem-se a caminho. Será útil uma religião de tantas certezas e verdades ou um cristianismo que desperta, que se interroga, que procura?

             Não basta conhecer as Sagradas Escrituras para encontrar Jesus. A competência dos escribas e dos sacerdotes do Templo, ao tempo de Jesus, está fora de dúvida: memorizam textos, acumulam informações, mas a sua vida não muda. Para os Magos, aquela informação, pelo contrário, leva-os a completar o final da viagem.

             Eis uma grande verdade desta história misteriosa: só quem procura e caminha verá a estrela e chegará ao lugar do encontro. É um convite a estar atento às surpresas de Deus. Deus está para além das nossas previsões.

             A fé não se constrói sentado num gabinete (mesmo que seja o do Papa!), com longos raciocínios ( como, por exemplo, a encíclica, quase intragável, do Papa sobre a Esperança, que podia muito bem ter uma versão abreviada para o povo simples porque a gente está fartos de saber que ele é um homem de grande craveira intelectual e por isso apreciávamos certamente outras surpresas e facetas que estão custosas de se revelarem nele... e a sua muita idade não perdoa!) e acesas discussões. Reparem: não é uma ideia que nos move. É uma Pessoa que procuramos...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:18


formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2008

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D