Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Catequese

por Zulmiro Sarmento, em 05.06.07

Se a Catequese de Adultos não for implementada

nas paróquias,

a das crianças e adolescentes estará sempre mal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:48

SER PROFETA HOJE (algumas interpelações)

por Zulmiro Sarmento, em 05.06.07

          Gostaria de partilhar com os meus amigos que visitam este espaço na net algumas interpelações sobre o sentido da profecia para os tempos actuais. Como ser profeta hoje? Tirem um tempinho para ler e assimilar. Se tiverem dúvidas sobre o que significa e deve ser um profeta na Igreja e no mundo, pelas interpelações que se seguem chegam lá num instante:

 

1. Descobrir e propor o projecto de Deus para o mundo e para os homens e para as mulheres. O profeta é homem (mulher) do seu tempo, marcado pelas descobertas, conquistas, contradições e esperanças dos homens e mulheres do seu tempo... É também alguém com uma fé profunda, com uma consciência muito forte da presença de Deus na própria vida. A vida de união e de comunhão com Deus vai impregnando a vida do profeta, de modo que vai aprendendo a interpretar todos os acontecimentos políticos, sociais e religiosos à luz de Deus e do seu projecto. Só deste modo o profeta pode apresentar o projecto de Deus para os homens e mulheres de hoje.

 

2. Sentir-se chamado(a) por Deus, receber de Deus uma missão, ser enviado(a) por Deus ao mundo. Deus chama de muitas formas... Um sonho, uma leitura, um acontecimento, um sinal... Às vezes descobre-se o seu apelo no rosto de um pobre ou de um escravizado por malditos vícios; outras vezes, nas páginas dos jornais; outras, nas necessidades da Igreja ou da sociedade; outras, nos acontecimentos turbulentos do presente; outras, mais simplesmente, nas palavras de um amigo ou de um mestre... Ao ser chamado(a), o profeta recebe de Deus uma missão.

 

3. Estar marcado(a) pelas experiências de solidão, angústia, sofrimento, crise, rejeição, incompreensão... Ser fiel à missão de Deus, mesmo quando, com essa atitude, o profeta se sente abandonado, rejeitado, incompreendido. No fundo, trata-se de arrisacar a vida, na certeza da presença de Deus.

 

4. Estar desinstalado, num território concreto... como espaço de verificação e de rejeição da profecia anunciada. Ninguém é profeta na sua terra, é certo. Mas é na terra, no espaço concreto, na escola, no local de trabalho, na comunidade, na Igreja... que a profecia deve ser anunciada. Com coragem, com desassombro.

 

5. Viver no quotidiano da existência, na minha situação concreta, aqui e agora. Como ser profeta, aqui e agora, na minha situação, face aos problemas reais que me entram pelos olhos e interpelam o meu coração aberto ao Pai e ao próximo?

 

6. Anunciar as Boas Novas de sempre duma forma sempre nova. O conteúdo do anúncio profético é sempre o mesmo. Mas esta única Palavra de Deus deve ressoar duma forma sempre nova...

 

7.Assumir um modo novo e inédito de viver e anunciar o essencial. Anunciar um modo novo de viver o essencial. E o essencial é a fé , a esperança e a plenitude do amor, das quais os profetas foram testemunhas vulneráveis mas obstinados. O Espírito sopra onde quer e como quer, com liberdade imprevisível, não se deixando amarrar em esquemas exclusivos ou demasiado estreitos...

 

8. Escutar, aprender, receber, acolher... o Deus do povo e o povo de Deus.

 

9. Ser coerente entre a palavra anunciada e as opções pessoais. Quantos pretensos profetas gritam diante dos microfones, ditam sentenças nos jornais a torto e a direito, gesticulam nas praças e na televisão... mas não dão testemunho com a sua vida. Por isso, não mudam as coisas! Há incoerência entre pensamento e vida , entre ideal e prática.

 

10. Denunciar não apenas os pecados, mas as estruturas de pecado, promover e estimular novas estruturas de virtudes e valores.

 

11. Testemunhar entre o silêncio intenso-pleno e o silêncio despojado-vazio. Diante dos dramas recentes e actuais, diante das angústias e sofrimentos, diante dos vazios e da falta de esperança, o profeta dá testemunho, com o seu silêncio, do silêncio de Deus. Não é fácil, mas pode ser um silêncio fecundo que fala.

 

12. Lutar contra os novos ídolos de hoje: detectá-los, desmascará-los, denunciá-los...

 

13. Anunciar a fé e a justiça, assumir a esperança como raiz da profecia. Não se trata de duas coisas distintas: a fidelidade ao Deus vivo exige a defesa dos direitos do pobre. A mensagem profética, na sua capacidade de denúncia, integra-se e aperfeiçoa-se, especificando-se, na proposta de uma utopia, na "proposta de uma alternativa", chamada esperança. Sem esperança não há profecia.

 

14. Profetizar no século XXI, viver pobre a profecia da gratuidade, da sobriedade, da essencialidade: sentir a alegria de dar, gratuitamente; experimentar a força do Amor criador de Deus; praticar diariamente uma vida simples, sóbria; ir profeticamente contra a corrente do domínio e do consumo; ser capaz de desmascarar as raízes do egoísmo e as suas consequências...

15. Profetizar no século XXI, viver obediente a profecia da multiculturalidade. Descobrir a única vontade de Deus Pai; deixar os isolamentos, os nossos planos egoístas; procurar a vontade de Deus na vontade da comunidade: deixar de lado o escândalo da excomunhão mútua; comungar no mesmo Deus...

 

16. Profetizar no século XXI, viver casto a profecia da sexualidade redimida: Testemunhar a redenção de Cristo na globalidade do nosso ser (inteligência, liberdade, fantasia, corpo, afectos, sentidos); ser profetas da libertação integral...

 

          Padres, religiosos e leigos, todos baptizados e todos por aí a viver o SER PROFETA!?

          SER PROFETA é mesmo uma prioridade? 

          Andaremos a fazer uma pastoral de manutenção, vivendo nas ditas seguranças do passado!?

          E agora... com a possibilidade da missinha no doce latim!!

          Já me perguntaram por aí: «os livros que o padre Zulmiro estudou são os mesmos dos outros padres?»

          Reuniões e homilias devem, por certo, ditar perguntas e reparos destes...

          O meu professor de Teologia, Dr. José Soares Nunes, dizia-nos que sair do Seminário e nunca mais ler e estudar durante cinco anos faz ficar desactualizado imediatamente. Eram cabelos brancos a falar...

          E acrescento ainda: um profeta é um insatisfeito porque nunca se contenta; transmite a certeza de que se pode sempre  melhor e mais longe. E é um incompreendido porque para os imbecis está sempre a «dar recados»...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:13


formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2007

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D