Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Amigos de Raoull Follereau

por Zulmiro Sarmento, em 31.01.12

 

http://www.aparf.pt

No último domingo de janeiro, celebramos a cada ano o dia Mundial dos Leprosos, assim sendo, como forma de chamarmos a atenção para esta celebração, sugerimos uma visita ao sítio da Associação Portuguesa Amigos de Raoull Follereau (APARF). Esta IPSS sem fins lucrativos, tem por objetivo “prestar assistência material, sanitária e moral às pessoas afetadas pela doença de Hansen; promover, ações de luta contra a doença de Hansen e outras causas de marginalização social; colaborar com as organizações congéneres existentes noutros países e celebrar em Portugal o dia mundial dos leprosos, sensibilizando a opinião pública para a situação dos doentes de lepra em Portugal”.

Neste espaço virtual poderemos ficar “a conhecer a associação, saber quem é o seu fundador, ver os seus projetos e ainda consultar a versão online do jornal da associação”. Pois bem, é acima de tudo à vertente da consulta da versão online da publicação periódica intitulada “O Amigo do Leproso”, que é dado destaque na página inicial. Isto porque, todas as opções de menu lateral, são precisamente as secções que a publicação possui.

Além da consulta do jornal, podemos no menu superior, descobrir quem é esta associação e o que faz, em “quem somos”. No item “Raoull Follereau”, acedemos à biografia deste grande homem, que nasceu em França no ano de 1903 e veio a morrer em Paris em dezembro de 1977. A sua vida mudou, após um contacto com os leprosos durante um safari em África. Posteriormente, com o surgimento da II guerra mundial teve de se esconder num convento de religiosas, onde a Madre Maria Eugénia, tinha o sonho de criar a cidade dos leprosos. Raoull Follereau disse à religiosa “avance com o projeto, que no dinheiro penso eu”. E assim foi, decidiu percorrer o mundo a fazer conferências para sensibilizar as pessoas para esta doença. O sonho das religiosas tornou-se realidade em 1953. Caso pretendamos aceder às publicações anteriores, basta clicar em “arquivo”.

Por último, apenas referimos que de acordo com “os dados da Organização Mundial de Saúde de 2010-2011, o número de contágios está a diminuir e atualmente situa-se em 200 mil”.

Fica então aqui a sugestão de visita para sabermos mais acerca do enorme trabalho que é feito por esta organização, pois como dizia este grande filantropo, “Ser feliz é fazer os outros felizes”.

Fernando Cassola Marques

ECCLESIA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:19

Crianças apadrinham os mais velhos

por Zulmiro Sarmento, em 30.01.12

No ano passado havia – segundo dados das forças de segurança – cerca de dezasseis mil velhos, em Portugal, a viver sozinhos ou isolados. Embora estejam, por estes dias, a ser atualizados os dados, através da ‘Operação censos sénior’, poderemos tentar encontrar algumas das causas deste fenómeno de ‘abandono’ dos nossos mais velhos, queremos sugerir breves desafios...

Recorrendo, novamente, aos dados publicados, os distritos onde há mais velhos sós ou abandonados são: Santarém, Porto, Castelo Branco, Braga, Bragança, Vila Real e Aveiro... com mais de mil velhos em situação de abandono total ou parcial, em cada um dos distritos. Por seu turno, a ilha do Corvo, nos Açores, é o distrito onde este fenómeno tem menor expressão, somente catorze!
Quais são as causas mais profundas para que os mais velhos sejam, deste modo, abandonados e/ou neglicenciados? Com que fatores (internos, exteriores, culturais ou mesmo espirituais) temos de contar para tentarmos explicar o agravamento deste abandono? Será isto resultado de um estilo de vida ou de uma vida sem estilo humano? Como podem ter contribuído os mais velhos para que este fenómeno se tenha generalizado? Como serão tratados os filhos que assim abandonam os pais? Serão os (ditos) cristãos diferentes no seu comportamento?
Estas e muitas outras perguntas nos assaltam ao vermos o tratamento dado a tantos dos nossos mais velhos, andando em busca de propostas que possam atenuar esta chaga da nossa sociedade, cada vez mais materialista. Por isso, a proposta que apresentamos tem tanto de simples quanto de circunstancial, pois, tendo nós a responsabilidade – em razão do ofício e do ministério – dum lar de idosos e, conjuntamente, de um jardim-de-infância, queremos tão simplesmente deixar pistas neste ‘ano europeu do envelhecimento ativo e da solidariedade entre gerações’.

= Diálogo entre crianças e velhos: lições e projetos
Certamente já teremos visto um avô ou uma avó em conversa um neto ou uma neta ou vice-versa. O momento é ainda mais enternecedor quando o mais novo é muito pequeno, pois a distância física – pelo tamanho, pela diferença e até pel linguagem – se atenua nas condições psicológicas.
Quando assistimos à saída das crianças do jardim de infância e são os avós quem os procura podemos viver toda uma ressonância de mensagens mais ou menos perceptíveis... entre comunhões de sangue.
Sabemos como hoje muitas das nossas crianças são – agradavelmente – a companhia para os seus avós e estes sentem-se úteis pela ajuda que prestam a seus filhos/as... pais. Felizmente nem distinguimos a atitude de avô ou de avó... ambos sentem-se colaboradores nas dificuldades. Vivendo nesta sintonia vamos humanizando as relações entre gerações... onde os pais correm o risco de serem menos interventivos e até participantes no processo de educação.

= Crianças apadrinham/amadrinham... os mais velhos
Partindo das respostas sociais dos nossos centros paroquiais poderemos criar sinergias entre estas duas etapas do desenvolvimento humano: as crianças (tanto da creche como do jardim-de-infância ou mesmo do centro de atividades de tempos livres) poderiam assumir algum cuidado para com os mais velhos... muitos deles acima dos oitenta anos e, por isso, no estádio de ‘grandes velhos’, quais bisavós ou tetravós sociais e espirituais.
Se cada sala assumisse o cuidado de um certo número – entre seis e oito, num leque de vinte e cinco crianças – de velhos do lar ou de centro de dia poderíamos ir humanizando as nossas respostas sociais, envolvendo nessa aproximação os pais e outros participantes no processo educativo, bem como gerando proximidade e tempo de escuta para com muitos dos nossos velhos, que se vão fechando no seu mundo ou até são relegados para o limbo do esquecimento... mesmo que estejam com outros ao seu lado.
Numa espécie de contestação às vozes agoirentas que semeiam sinais da desgraça e do desespero, queremos lançar pétalas de boa harmonia entre os mais novos e mais velhos, tentando fazer com que adolescentes, jovens e adultos façam parte da solução positiva entre o berço e a bengala, aconchegando uns e amparando outros... terna e fraternamente.
Luz de serenidade e de ousadia a quanto obrigas... sempre em fidelidade ao Espírito de Deus em cada tempo e nos mais diversos lugares!

António Sílvio Couto
(asilviocouto@gmail.com)
ECCLESIA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:52

Tema do 4º Domingo do Tempo Comum - ANO B

por Zulmiro Sarmento, em 29.01.12

A liturgia do 4º Domingo do Tempo Comum garante-nos que Deus não se conforma com os projectos de egoísmo e de morte que desfeiam o mundo e que escravizam os homens e afirma que Ele encontra formas de vir ao encontro dos seus filhos para lhes propor um projecto de liberdade e de vida plena.

A primeira leitura propõe-nos – a partir da figura de Moisés – uma reflexão sobre a experiência profética. O profeta é alguém que Deus escolhe, que Deus chama e que Deus envia para ser a sua “palavra” viva no meio dos homens. Através dos profetas, Deus vem ao encontro dos homens e apresenta-lhes, de forma bem perceptível, as suas propostas.
O Evangelho mostra como Jesus, o Filho de Deus, cumprindo o projecto libertador do Pai, pela sua Palavra e pela sua acção, renova e transforma em homens livres todos aqueles que vivem prisioneiros do egoísmo, do pecado e da morte.
A segunda leitura convida os crentes a repensarem as suas prioridades e a não deixarem que as realidades transitórias sejam impeditivas de um verdadeiro compromisso com o serviço de Deus e dos irmãos.

Padres Dehonianos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:18

Para os senhores padres que incluem os domingos também...

por Zulmiro Sarmento, em 27.01.12

«A Quaresma, que este ano começa a 22 de fevereiro (quarta-feira de Cinzas), é um período de 40 dias - excetuando os domingos - que serve de preparação para a Páscoa, a principal festa do calendário dos cristãos.»

 

ECCLESIA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:41

“Investimento” em filhos. Há outra solução?

por Zulmiro Sarmento, em 26.01.12

Economista de grande competência, directora de uma das melhores escolas de negócios, recomendava aos pais que investissem nos estudos dos filhos porque era a melhor colocação das poupanças que podiam fazer. Investir em casas era um mau negócio e isso está à vista com tanta casa vazia.

Outra notícia dizia que a Andaluzia estava a ficar ocupada como os filhos dos emigrantes do norte da África e vazia de filhos de espanhóis. Muitos comentaristas vão dizendo que o Estado Social não é sustentável simplesmente porque os idosos suplantam os novos. Vai-se repetindo ainda o facto que após fecharem centenas de escolas primárias e secundárias, agora será inevitável fechar ou fundir muitas universidades. E a razão primeira não é a falta de verbas. A razão primeira é que faltam alunos para as escolas, os colégios e as universidades porque a demografia desceu este ano em Portugal aos níveis mais baixos de sempre.
E os pais a teimar investir em casas para ficarem vazias, em carros e artigos de luxo, roupas, alimentação cara e nociva; depois eles, os pais, ficam cada vez mais sós, mais entregues a uma casa em que vivem sós, adoecem sozinhos e morrem sozinhos. Podem estar rodeados de “coisas”, muitas coisas, mas estas não aquecem o coração, não dão vida humana. Abandonados? Não, eles é que têm vindo a abandonar a sua missão e a centrar-se no seu umbigo, a cuidar só de si mesmos. Esqueceram-se ou enganaram-nos de que uma vida melhor poderia ser só para eles e para poucos mais, um filho , dois ou nenhum. Esqueceram que a vida melhor é vivida em partilha com os humanos do passado, os do presente e os do futuro, os que vão nascer e os que vão morrer. Economia de armazenar coisas leva as pessoas a ficar rodeadas de coisas, afogadas em coisas, no desamparo, no vazio, no suicídio antecipado. A vida de pessoa circula entre pessoas, é troca, é energia, é amor, é luz que as põe em comunhão.
Os últimos cem anos criaram o individualismo como se a vida fosse só de indivíduos, ilhas, como se cada individuo não tivesse nada a ver com todos os da sua espécie, com os outros que nos vão suceder. A vida humana só adquire o seu sentido quando os indivíduos se assumem como pessoas que são, seres de relação que têm dimensões da sua vida nos outros, a recebem doutros; e podem ter a felicidade de dar muitas dimensões da própria vida a outros.
O começo da solução de muitos males da doença pós-moderna do individualismo suicida e desta crise está em “investir” em vidas dos outros, em filhos, em seres humanos, em pessoas e na sua igual dignidade. Haverá outra solução? Quanto mais se dá mais e melhor se vive e se vai viver. Investir demasiado em animais e em coisas não preenche o vazio actual. Ao contrário, quanto mais se investe em vidas de pessoas, mais se respeita a sua dignidade, mais se fica rico, mais cresce a vida. Assim faz a “família trinitária” das três pessoas divinas. Foi para isto que Cristo, uma dessas pessoas, veio para o pé de nós, e se “faz” nós para que tenhamos vida e vida em abundância e nos tornemos Ele.

Aires Gameiro
ECCLESIA

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:31

CONJUGAR...

por Zulmiro Sarmento, em 25.01.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 09:51

Não ter medo de dizer que não

por Zulmiro Sarmento, em 24.01.12

«Gosto muito do meu filho — dizia um senhor numa reunião de pais na escola — e procuro que ele se dê conta disso. No entanto, reconheço que algumas vezes o meu filho se porta mal. É verdade que ele só tem cinco anos de idade. Mas também é verdade que eu tento não me esquecer desse “detalhe” quando converso com ele sobre o seu comportamento.

«No outro dia, um psicólogo disse à minha mulher que nessas idades ninguém se porta propriamente mal. Simplesmente, faz com inocência algo que ainda não aprendeu que está mal. Eu, que não sou psicólogo nem nada que se pareça, não estou nada de acordo com isso. Já vi o meu filho portar-se mal. São coisas pequenas, evidentemente, mas ele sabe o que faz e tem consciência disso.
«E para o seu bem, procuro actuar com firmeza — não é sinónimo de violência — e dizer-lhe claramente que “não”. Ser claro, para mim, não é o mesmo que gritar. Também procuro explicar-lhe o porquê do meu “não”, de modo que ele possa entender. Assim, é mais fácil para ele obedecer àquilo que eu lhe digo, mesmo que não lhe apeteça.
«Muitas vezes, apercebo-me de que ele obedece não tanto por entender o que lhe digo, mas por confiar em mim. Porque sou seu pai. E, além disso, seu amigo. A paternidade é um facto. A amizade é uma conquista diária. E essa amizade entre nós também cresce quando ele percebe que eu lhe digo que “não” porque gosto dele — quando seria muito mais fácil para mim não lhe dizer nada».
Que gosto dá ouvir estas palavras tão sensatas! Os pais, se amam de verdade os seus filhos, não terão receio de, algumas vezes, dizer-lhes que “não”. Que pena se, por temor a contristar o filho ou a passarem eles um mau bocado, se habituem a ceder naquilo que não devem ceder! Quantos remorsos depois com o passar dos anos — e eles passam rapidamente — de não ter sabido dizer que “não” a tempo! Tudo se complica. Como diz o povo, cheio de sabedoria, é de pequenino que se torce o pepino.
Não é nada lógico dar aos filhos tudo aquilo que eles pedem. Nem deixá-los fazer tudo aquilo que lhes apetece. É preciso manter-se firmes, com uma firmeza amável e delicada que procede do amor. E convém não esquecer que a primeira qualidade do amor é a força para fazer o bem.
E se, depois de ter dialogado com os filhos e ouvido os seus argumentos, eles não gostam ou não entendem uma indicação dos pais? Nesse caso, penso que os pais não devem ceder naquilo que verdadeiramente consideram que é importante. O contrário seria claudicar num ponto nevrálgico da educação. Mais tarde, serão os próprios filhos a ouvir esse “não” no seu interior diante daquilo que poderiam fazer mas sabem que não devem fazer. Mas não nos enganemos: é muito difícil que esse “não” seja interiorizado pelos filhos se antes não foi pronunciado pelos pais.
Pe. Rodrigo Lynce de Faria

ECCLESIA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:26

Tema do 3º Domingo do Tempo Comum - ANO B

por Zulmiro Sarmento, em 22.01.12


A liturgia do 3º Domingo do Tempo Comum propõe-nos a continuação da reflexão iniciada no passado domingo. Recorda, uma vez mais, que Deus ama cada homem e cada mulher e chama-o à vida plena e verdadeira. A resposta do homem ao chamamento de Deus passa por um caminho de conversão pessoal e de identificação com Jesus.
A primeira leitura diz-nos – através da história do envio do profeta Jonas a pregar a conversão aos habitantes de Nínive – que Deus ama todos os homens e a todos chama à salvação. A disponibilidade dos ninivitas em escutar os apelos de Deus e em percorrer um caminho imediato de conversão constitui um modelo de resposta adequada ao chamamento de Deus.
No Evangelho aparece o convite que Jesus faz a todos os homens para se tornarem seus discípulos e para integrarem a sua comunidade. Marcos avisa, contudo, que a entrada para a comunidade do Reino pressupõe um caminho de “conversão” e de adesão a Jesus e ao Evangelho.
A segunda leitura convida o cristão a ter consciência de que “o tempo é breve” – isto é, que as realidades e valores deste mundo são passageiros e não devem ser absolutizados. Deus convida cada cristão, em marcha pela história, a viver de olhos postos no mundo futuro – quer dizer, a dar prioridade aos valores eternos, a converter-se aos valores do “Reino”.


Padres Dehonianos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:14

Naufragar é preciso?

por Zulmiro Sarmento, em 20.01.12

texto de João Pereira Coutinho (escritorportuguês)

 

TEXTO PUBLICADO NA FOLHA DE SÃO PAULO DESTA TERÇA-FEIRA

Começa a ser penoso para mim ler a imprensa portuguesa. Não falo da

qualidade dos textos. Falo da ortografia deles. Que português é esse?

Quem tomou de assalto a língua portuguesa (de Portugal) e a

transformou numa versão abastardada da língua portuguesa (do Brasil)?

A sensação que tenho é que estive em coma profundo durante meses, ou

anos. E, quando acordei, habitava já um planeta novo, onde as regras

ortográficas que aprendi na escola foram destroçadas por vândalos

extraterrestres que decidiram unilateralmente como devem escrever os

portugueses.

Eis o Acordo Ortográfico, plenamente em vigor. Não aderi a ele: nesta

Folha, entendo que a ortografia deve obedecer aos critérios do Brasil.

Sou um convidado da casa e nenhum convidado começa a dar ordens aos

seus anfitriões sobre o lugar das pratas e a moldura dos quadros.

Questão de educação.

Em Portugal é outra história. E não deixa de ser hilariante a

quantidade de articulistas que, no final dos seus textos, fazem uma

declaração de princípios: “Por decisão do autor, o texto está escrito

de acordo com a antiga ortografia”.

A esquizofrenia é total, e os jornais são hoje mantas de retalhos. Há

notícias, entrevistas ou reportagens escritas de acordo com as novas

regras. As crônicas e os textos de opinião, na sua maioria, seguem as

regras antigas. E depois existem zonas cinzentas, onde já ninguém sabe

como escrever e mistura tudo: a nova ortografia com a velha e até, em

certos casos, uma ortografia imaginária.

A intenção dos pais do Acordo Ortográfico era unificar a língua.

Resultado: é o desacordo total com todo mundo a disparar para todos os

lados. Como foi isso possível?

Foi possível por uma mistura de arrogância e analfabetismo. O Acordo

Ortográfico começa como um típico produto da mentalidade racionalista,

que sempre acreditou no poder de um decreto para alterar uma

experiência histórica particular.

Acontece que a língua não se muda por decreto; ela é a decorrência de

uma evolução cultural que confere aos seus falantes uma identidade

própria e, mais importante, reconhecível para terceiros.

Respeito a grafia brasileira e a forma como o Brasil apagou as

consoantes mudas de certas palavras (“ação”, “ótimo” etc.). E respeito

porque gosto de as ler assim: quando encontro essas palavras, sinto o

prazer cosmopolita de saber que a língua portuguesa navegou pelo

Atlântico até chegar ao outro lado do mundo, onde vestiu bermuda e se

apaixonou pela garota de Ipanema.

Não respeito quem me obriga a apagar essas consoantes porque acredita

que a ortografia deve ser uma mera transcrição fonética. Isso não é

apenas teoricamente discutível; é, sobretudo, uma aberração prática.

Tal como escrevi várias vezes, citando o poeta português Vasco Graça

Moura, que tem estudado atentamente o problema, as consoantes mudas,

para os portugueses, são uma pegada etimológica importante. Mas elas

transportam também informação fonética, abrindo as vogais que as

antecedem. O “c” de “acção” e o “p” de “óptimo” sinalizam uma correta

pronúncia.

A unidade da língua não se faz por imposição de acordos ortográficos;

faz-se, como muito bem perceberam os hispânicos e os anglo-saxônicos,

pela partilha da sua diversidade. E a melhor forma de partilhar uma

língua passa pela sua literatura.

Não conheço nenhum brasileiro alfabetizado que sinta “desconforto” ao

ler Fernando Pessoa na ortografia portuguesa. E também não conheço

nenhum português alfabetizado que sinta “desconforto” ao ler Nelson

Rodrigues na ortografia brasileira.

Infelizmente, conheço vários brasileiros e vários portugueses

alfabetizados que sentem “desconforto” por não poderem comprar, em São

Paulo ou em Lisboa, as edições correntes da literatura dos dois países

a preços civilizados.

Aliás, se dúvidas houvesse sobre a falta de inteligência estratégica

que persiste dos dois lados do Atlântico, onde não existe um mercado

livreiro comum, bastaria citar o encerramento anunciado da livraria

Camões, no Rio, que durante anos vendeu livros portugueses a leitores

brasileiros.

De que servem acordos ortográficos delirantes e autoritários quando a

língua naufraga sempre no meio do oceano?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:21

Refectindo

por Zulmiro Sarmento, em 18.01.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:13

Pág. 1/3



formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Passaram por aqui

web counter free



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D