Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


ÀS QUINTAS-FEIRAS... (Ano Sacerdotal)

por Zulmiro Sarmento, em 03.09.09

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:22

Deixar-se dizer pela Palavra para vivê-la e anunciá-la aos outros

por Zulmiro Sarmento, em 03.09.09

XXXII Semana Bíblica Nacional

A XXXII Semana Bíblica Nacional decorreu em Fátima, de 23 a 28 de Agosto, com a participação de mais de 300 pessoas e a colaboração de 13 conferencistas, três dos quais, bispos. Organizada pelo Movimento de Dinamização Bíblica, dos franciscanos capuchinhos, contou com a colaboração dos seus vários secretariados regionais e uma equipa de Liturgia.
A intenção era aproveitar a dinâmica atingida no Ano Paulino e secundar os apelos do último Sínodo sobre a Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja. De facto, muita gente descobriu as Cartas de Paulo e os Actos dos Apóstolos, ficando desperta para a Bíblia; mas a maioria não acompanhou o Sínodo, que pretendeu «sobretudo renovar a fé da Igreja na Palavra de Deus» (55ª Proposição). Por isso, os temas desta Semana foram organizados a partir das quatro palavras-chave da Mensagem do Sínodo ao Povo de Deus: a VOZ da Palavra (a Revelação), o ROSTO da Palavra (Jesus Cristo), a CASA da Palavra (a Igreja) e os CAMINHOS da Palavra (a Missão).
 A VOZ. D. António Couto, bispo auxiliar de Braga,disse “Como falou Deus e fala hoje ao seu povo”: com «uma voz que atravessa o coração», que fala «em», por dentro, e não tanto «por», sendo necessário manter um contacto íntimo com as Escrituras mediante a leitura sagrada e o estudo apurado; a «voz de um fino silêncio», como a que o profeta Elias sentiu na brisa, que é preciso saber «escutar», pois só podemos exprimir bem o que em nós deixarmos imprimir. Escutar é deixar-se dizer pela Palavra. D. António Taipa, bispo auxiliar do Porto, falou da sua vivência do “Sínodo visto por dentro”, como «uma profunda experiência de Igreja e uma forte experiência de fé». Sublinhando que «a Palavra de Deus não está prisioneira da Escritura», falou da «contemplação da Palavra de Deus na criação, na história e nas pessoas»; do apelo ao serviço da Palavra na homilia, na catequese, no primeiro anúncio; e da celebração da Palavra na Leitura orante (Lectio divina e Revisão de vida) e na Eucaristia.
 O ROSTO. O capuchinho frei Fernando Gustavo salientou que, como em qualquer relação, também na Bíblia há dois que se procuram; mas, «a nossa simples possibilidade de encontro com o rosto da Palavra (Cristo), terá sempre de passar pela nossa disponibilidade para o encontro com todos os outros». Dentro destes critérios, leu alguns textos do Antigo e do Novo Testamento, como a Aliança, as tentações de Jesus, a multiplicação ou “divisão” dos pães e os discípulos de Emaús. D. Carlos Moreira Azevedo, bispo auxiliar de Lisboa e especialista em História da Igreja, apresentou os principais “Teólogos que marcaram a história da Bíblia”, permitindo ver como a Palavra de Deus foi sendo abordada num sentido mais espiritual, pastoral, literal ou sapiencial; como foi secundarizada na longa época escolástica, e o seu processo de renovação com o movimento bíblico, o grande impulso ao estudo da Bíblia com a teologia protestante, e o pós-Concílio Vaticano II que definiu a Bíblia como «alma da teologia e da vida pastoral».
 A CASA. O P. Carlos de Aquino, liturgista da diocese do Algarve, falou da “Liturgia, o Iugar privilegiado da Palavra de Deus”. Para entender o valor e a pertinência do tema, bastaria citar a Constituição sobre a Sagrada Liturgia, do Vaticano II: «Na celebração da Liturgia a importância da Sagrada Escritura é muito grande. De facto, dela se tomam as Leituras, que se explicitam na homilia, os salmos que se cantam; da sua inspiração e sob o seu impulso nascem as preces, orações e hinos litúrgicos; e dela, acções e sinais recebem o seu significado.» A comprová-lo, o biblista franciscano frei João Lourenço falou de “S. Francisco de Assis e a Palavra de Deus hoje”. De facto, a principal fonte de Francisco em relação à Bíblia foi a escuta da Palavra na Eucaristia, depois reflectida em privado; e de tal modo ele foi transformado pelo Deus da Palavra, que escreveu uma Regra para os «Irmãos Menores»,aprovada pelo Papa, propondo-se «viver segundo o santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo». E assim «restaurou» a Casa da Igreja.
 OS CAMINHOS. O frei Herculano Alves falou da “Palavra de Deus, animação de toda a Pastoral”. A este capuchinho doutorado em Sagrada Escritura, com largos anos de ensino universitário e um intenso trabalho pastoral de formação e animação em paróquias, grupos e congregações religiosas, pediu-se que apontasse caminhos de passagem da palavra da Bíblia para a Missão da Igreja. E fê-lo de modo frontal, não poupando a assembleia a um certo desconforto. Bastou apresentar a boa doutrina dos documentos da Igreja sobre a Bíblia, para se concluir da incongruência entre a teoria e a prática e um excessivo acento posto no culto em detrimento da evangelização, com nocivos efeitos à vista. Daí nasceram várias sugestões, a fim de se passar de uma pastoral bíblica à animação bíblica de toda a pastoral, como pediu o Sínodo. A exposição foi complementada, de tarde, por um painel sobre “Como levar a Bíblia ao Povo de Deus, hoje?”, moderado por frei Acácio Sanches, com três propostas concretas: a Escola Bíblica (Palmira Reis, Aveiro), os Grupos Bíblicos (Luísa Maria Abreu, Coimbra) e a Lectio divina (frei Lopes Morgado, Fátima), seguindo-se uma celebração da Lectio divina com toda a assembleia.
 CONCLUSÃO. A Semana concluiu com mais uma reflexão sobre “Maria, modelo de acolhimento da Palavra para o crente”, por Isabel Varandas. Seguindo-se a Eucaristia de Encerramento presidida por D. Serafim Ferreira e Silva, bispo emérito de Leiria-Fátima, que, em nome dos seus colegas no episcopado, agradeceu a todos o interesse manifestado pela Palavra de Deus.
As carências e disponibilidades das pessoas, e os apelos deste Sínodo, sugerem esta proposta pastoral urgente no nosso país: uma Bíblia em cada Família, que faça dela “pão” de cada dia e uma “refeição” semanal; um grupo de Lectio divina em cada paróquia, que junte os grupos bíblicos existentes e outros agentes de evangelização, com celebração semanal das Leituras do Domingo; uma Escola Bíblica ou Escola da Palavra” mensal em cada vigararia, para formação de catequistas, ministros da Palavra e membros dos grupos bíblicos; e um Secretariado Bíblico diocesano ou regional que coordene e apoie toda esta acção pastoral.
 
Lopes Morgado
ECCLESIA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00


formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Passaram por aqui

web counter free



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D