Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Frescura e actualidade... (3)

por Zulmiro Sarmento, em 29.02.08

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:12

Assim olhava a VIDA !

por Zulmiro Sarmento, em 22.02.08

 

     Luís e José encontravam-se seriamente doentes. Ambos compartilhavam o mesmo quarto no hospital. O Luís, que ainda se sentava na sua cama, mas já não podia levantar-se, estava situado junto à janela. Enquanto o José, sempre estendido no seu leito e totalmente dependente do cuidado de terceiros, ficou colocado mais à distância daquela fonte de luz natural.

   Nunca antes se haviam encontrado aquelas duas criaturas; mas as horas, dias, semanas que ali permaneceram juntos, foram um convite à comunicação mútua. Assim tiveram oportunidade de falar de suas esposas, filhos, netos e mais família, dos seus trabalhos e aventuras, da terra onde nasceram, dos usos e costumes... Não faltou a abundante troca de experiências alegres ou nem por isso, algumas coincidentes, que suas longas vidas lhes ofereceram.

 

   

   À tarde, o Luís relatava ao José o que contemplava através da sua janela... Narrativa que José muito apreciava, pois também ele se sentia a participar daquele movimentado e alegre cenário que transmitia vida. Que maravilhoso panorama, José!... Comentava o Luís perto da janela: Uma linda avenida ajardinada ladeada de frondosos plátanos e tílias por onde casais passeiam de mãos dadas ou amavelmente abraçados, alguns sentados à sombra nos confortáveis bancos de jardim. Num espaço relvado, crianças divertem-se, jogando e brincando nos escorregas e baloiços... Esvoaçam passarinhos, enquanto que mansas pombas se aproximam à busca de migalhas perdidas... Mais à distância, num amplo lago arredondado, cisnes exibem sua arte de navegar por entre nenúfares floridos... José ouvia encantado e feliz, com toda a atenção, sentindo-se fascinado e atingido interiormente pela luz, cor e movimento daquela descrição com tantos pormenores.

   Um belo dia, pela manhã, quando as enfermeiras e auxiliares se aproximam para a higiene habitual, notaram que tinha chegado a hora para o seu querido companheiro. O corpo de Luís era retirado com carinhoso respeito; e dispensado agora do seu «posto de vigia».

   Depois de retemperado da emoção sentida, José solicitava delicadamente à enfermeira para ocupar o anterior espaço do seu amigo, junto à janela. - Não foi difícil satisfazer o seu pedido.

   Tentou de imediato, levantar um pouco a cabeça, o que fazia com dificuldade, para contemplar, agora directamente, a paisagem já tão vivida no outro canto do quarto. E... José pasma! Depara com a parede branca dum edifício, a poucos metros da sua janela, sem que nada de belo pudesse vislumbrar...

   Explicam as enfermeiras, perante a sua admiração: José, acalme-se. Era assim que o seu amigo olhava a vida. Ele era cego!... Apenas lhe transmitia o que ele próprio tentava imaginar, para o tornar feliz também a si...

   Que faço eu, mesmo limitado, para tornar felizes os que vivem, perto de mim, com dificuldades?

   Procuro ter iniciativas e criatividade para abrandar a sua dor?

   Sou compreensivo e aceito, com humildade e gratidão, a colaboração que me vem do meu próximo?...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:08

No ano do P.e António Vieira (2)

por Zulmiro Sarmento, em 22.02.08

         

«Ter nome de pregador, ou ser pregador de nome, não importa nada; as acções, a vida, o exemplo, as obras, são as que convertem o mundo.»

                    P.e António Vieira em 1655

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:15

Grande Obra necessita urgentemente de...

por Zulmiro Sarmento, em 22.02.08

 

 

Carpinteiros: Para serrar a madeira da incompreensão e arrancar os pregos do orgulho, do ódio e do egoísmo.

 

Canalizadores: Para canalizar a água viva da verdade na direcção daqueles que têm sede de conhecimentos.

 

Electricistas: Para ligar a corrente positiva da Fé, estendendo luz a todos aqueles que se acham nas trevas da ignorância.

 

Pedreiros: Para assentar os tijolos da prece na construção da caridade.

 

Serventes: Para preparar a massa da boa vontade, derramando sobre a areia do sofrimento o cimento da fé e a cal da compreensão.

 

Aprendizes: Vaga sempre aberta para os de boa vontade de qualquer idade, com vontade de aprender.

 

Mestre: Não há vagas, temos o maior de todos: Jesus!

 

Local da Obra: A humanidade.

 

A Obra: O  amor ao próximo.

 

    

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:19

Uma Mensagem aos JOVENS (E)NAMORADOS

por Zulmiro Sarmento, em 14.02.08

          Como padre e educador tenho o prazer de oferecer uma mensagem, decalcada em tantas leituras feitas, aos adolescentes e jovens, para fomentar a sua sã afectividade:

     Não tenho cupidos de plástico, nem bombons, nem telemóveis, nem relógios de marca, nem flores, nem perfumes, nem presentes vários de alto valor e qualidade para vender...

     Não tenho nada para sortear...

     Tão pouco quero "usar" ou manipular seja quem for... e também nada tenho de material para vos dar!

     Na  verdade, só posso mesmo ceder o espaço que já é de todos nós, mas vosso sobretudo... todas as ruas para passearem, todos os bancos de jardim para se sentarem, a areia da praia, ou os calhaus junto ao mar, para pisarem, os troncos de árvore para neles gravarem os vossos nomes (ai os ambientalistas!!) e o céu aberto para nele pintarem os vossos sonhos com as cores do arco-íris...

    

   Hoje -  Dia dos Namorados, que os comerciantes inventaram! - queria partilhar algumas ideias, pensamentos, pistas, ... segredos:

     1º segredo: Namorar é bom, é mesmo muito bom, e por ser tão bom, não se pode confundir com uma mera experiência de "usar, gastar e deitar fora", porque as pessoas não são objectos e algumas têm uma incrível capacidade de magoar e outras de sofrer...

     2º segredo: Namorar é bom, é mesmo muito bom, e por ser tão bom, não se pode desperdiçar esse tempo, gastando-o demasiado depressa, sem parar para pensar no presente e no futuro, sempre a consumir o efémero e a correr de um lado para o outro, arrastados pela moda, pelo supérfluo e pela pressão do "compre agora, pague depois" como se alguma vez na vida isso fosse o fundamental e o suficiente para se ser feliz...

     3º segredo: Namorar é bom, é mesmo muito bom, e por ser tão bom, importa ser bem aproveitado para ambos se conhecerem e compreenderem a sério, honestamente, e descobrirem qualidades e defeitos, formas de pensar, convicções profundas, sonhos, interesses e gostos e assim perceberem se querem mesmo planear um projecto futuro de vida a dois, ou se afinal, pura e simplesmente, não servem um para o outro... e o melhor é continuarem a procurar outra pessoa, ou outro caminho, outro rumo...

     4º segredo: Namorar é bom, é mesmo muito bom, e por ser tão bom, não pode, nem deve ser confundido com manipulação, desrespeito pela dignidade de cada um e irresponsabilidade, como se "queimar etapas" e saltar do princípio para o fim, antecipando uma relação sexual sem compromisso e sem maturidade, não viesse a ter consequências graves para os dois e para terceiros... É importante, é útil e faz bem saber esperar! Diz uma canção (da jovem cantora Sara Tavares!) " Sei que tudo posso, mas nem tudo me convém" e é uma grande verdade que poderia repetir, dizendo-vos: - Sei que tudo podem, mas nem tudo vos convém, acreditem!

     Namorar é bom, de facto, é saudável e faz falta, mas embora seja mais que ser amigo e menos que casar, também não é uma brincadeira, um passatempo, uma simples forma de não estar só, de exibir a beleza do namorado ou namorada, ou de provar aos outros e a si próprio que também se arranja alguém que nos "ame"...

     Existem na sociedade portuguesa Associações que nasceram para contribuir para uma mentalidade mais favorável e um mundo mais acolhedor para todos quantos se esforçam por constituir uma família, naturalmente constituída por mãe, pai e filhos, - qualquer que seja o seu número! Os adultos bem formados sabem o que significa a ditadura do materialismo e do hedonismo (tudo pelo prazer! Como se ter um pénis,  uma vagina e uns seios arredondados funcionáveis, fosse o suficiente e o absolutamente necessário e mais umas distribuições de preservativos em ambiente de festa e/ou galhofa ); a perda de referências morais; a adolescência cada vez mais comprida e cansativa; a amoralidade avassaladora que brota - sabe Deus de que fonte! - ; os agentes educativos sem formação pessoal e social (nem sabem o que isto é, nem nunca ouviram falar!) estudada e assumida nas universidades e que só sabem (?) debitar a sua matéria, nas escolas de todos os níveis; enfim...

     Que nenhum jovem, nenhum casal de namorados da nossa terra, deixe de frequentar o "curso de preparação para o matrimónio"... uma esperança das e para as nossas comunidades cristãs!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 01:11

BODAS dos ANOS de CASAMENTO

por Zulmiro Sarmento, em 14.02.08

            1º Ano  —   Papel

     2º   »    —   Algodão

     3º   »    —   Couro

     4º   »    —   Linho

     5º   »    —   Madeira

     6º   »    —   Ferro

     7º   »    —   Cobre

     8º   »    —   Bronze

     9º   »    —   Cerâmica

    10º  »    —   Alumínio

    11º  »    —   Aço

    12º  »    —   Seda

    13º  »    —    Fitas

    14º  »    —    Marfim

    15º  »    —    Cristal

    20º  »    —    Porcelana

    25º  »    —    Prata

    30º  »    —    Pérola

    35º  »    —    Coral

    40º  »    —    Rubi

    45º  »    —    Safira

    50º  »    —    Ouro

    55º  »    —    Esmeralda

    60º  »    —    Diamante

    70º  »    —    Brilhante

    80º  »    —    Carvalho

 

     Ainda vou na 'porcelana'. E tu?

    

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:10

A Natureza canta o Amor!

por Zulmiro Sarmento, em 14.02.08

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 01:09

SÃO VALENTIM - Padroeiro dos (e)namorados

por Zulmiro Sarmento, em 14.02.08

           Terni é uma cidade italiana que fica a uma hora de distância de Roma viajando de autocarro. Na sua catedral conservam-se os restos mortais de São Valentim que foi ali bispo no século III e que hoje é conhecido como padroeiro dos namorados.

     Aos muitos pares de namorados que acorrem no dia 14 de Fevereiro ao túmulo do santo para pedir a sua protecção, os vendedores ambulantes propõem que comprem flores vermelhas para recordar que São Valentim, segundo a tradição, colhia flores do seu jardim para oferecê-las aos visitantes.

     Segundo a lenda e a história da Igreja, Valentim casava secretamente os jovens cristãos contra a vontade do imperador Aurélio que pensava que os casados eram soldados pouco valentes e, por isso, proibiu aos jovens que se casassem. O bispo Valentim acreditava pelo contrário que o matrimónio fazia parte do plano de Deus para o mundo.

     Considerando o imperador cruel e injusto neste assunto, o santo bispo convidava os jovens namorados a dirigir-se em segredo à sua cidade para os unir em matrimónio. A importância da intervenção de Valentim e o resultado de uniões santas e felizes adquiriu tal fama que se viu obrigado a dedicar um dia no ano para uma bênção geral do matrimónio.

     Quando o imperador soube deste "amigo dos namorados", ordenou que o trouxessem ao seu palácio. Impressionado pela sua dignidade e pela convicção do jovem bispo, Aurélio procurou convertê-lo aos deuses pagãos romanos e assim salvá-lo de uma condenação certa. Valentim recusou renunciar ao cristianismo.

     Em Fevereiro de 273, Valentim foi torturado, lapidado e decapitado por ordem do prefeito romano Plácido Fúrio .

     Segundo se lê nas estampas que se vendem na cidade de Terni , a vida apostólica de Valentim, enobrecida pelo martírio, induziu em 1644, os cidadãos dessa cidade de Terni a proclamá-lo padroeiro da cidade e dos namorados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 01:01

A riqueza do Sapateiro

por Zulmiro Sarmento, em 12.02.08

  

     Um dia, Deus estava sentado no seu trono celeste, quando decidiu vir à terra, disfarçado em mendigo sujo e faminto.

     Chegou a casa de um sapateiro, que se queixava muito da pobreza em que vivia, e começou por lhe dizer:

     — Olha, sou tão pobre, que só tenho este par de sandálias que, como vês já estão todas rotas e gastas. Por favor, não lhes podias dar um arranjo. Pois não tenho dinheiro para comprar outras e nem sequer para consertar estas...

     O sapateiro respondeu:

     — E tu não reparas na minha miséria? Estou cheio de dívidas e, há dias, em que nem sequer consigo dinheiro para comprar um pedaço de pão... E ainda vens tu a pedir-me que te arranje as sandálias de borla?

     —  Então, eu posso dar-te o que quiseres, se mas arranjares — respondeu o Senhor.

     O sapateiro, com mais confiança, propôs:

     — Então podes dar-me um milhão de euros, de que tanto preciso, para ser feliz?

     — Posso dar-te um milhão de euros mas, em troca, dás-me as tuas pernas...

     — E, para que me serve um milhão de euros, se não tiver pernas? Que me adianta o dinheiro, se não posso deslocar-me para onde me apetecer?...

     — Posso dar-te quinhentos milhões de euros, se me deres os teus braços.

     — E para que me servem os quinhentos milhões de euros, se nem sequer posso comer por minha mão, nem acariciar os meus entes queridos?

     O Senhor falou novamente:

     — Posso dar-te mil milhões, se me deres os teus olhos...

     — E, diz-me lá, para que me serve tanto dinheiro, se fico sem poder ver o mundo, nem os meus filhos, nem a minha esposa, para partilhar a vida com eles?

     Aquele mendigo , que era Deus disfarçado, sorriu e respondeu-lhe:

     — Ai, meu filho, como dizes que és tão pobre, se te ofereci um bilião e seiscentos milhões de euros em troca das partes sãs do teu corpo e tu não os aceitaste?

     És imensamente rico e não te dás conta disso!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:36

Disseram do APOSTOLADO

por Zulmiro Sarmento, em 10.02.08

► Somos uns criminosos se não nos emocionamos perante uma alma sem Deus. - Vieujean

► Jovens, não deveis dizer: "Quero salvar a minha alma" mas antes: "Quero salvar o mundo". - Lacordaire

► Ao mundo não o converterão esses cruzados que somente levam a cruz sobre a sua couraça. - H . Simón

Senhor, tira-me tudo; mas dá-me almas. - P. Pró, mártir do México

► Talvez tenhamos demasiados doutores e poucos apóstolos. - Mons. d'Hulst

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:20

Pág. 1/2



formar e informar

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2008

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
242526272829

Passaram por aqui

web counter free



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D